Hillary Clinton diz que os jovens estão deixando a igreja porque o cristianismo é 'crítico e alienante'

 A ex-secretária de estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, que é metodista, disse na semana passada que os jovens estão deixando a igreja porque o cristianismo é muito “crítico e alienante”.


Muitos jovens estão deixando a Igreja, em parte porque a maneira como eles entendem o que o Cristianismo se tornou ... tão julgadores, tão alienantes que pensam consigo mesmos: 'Bem, eu não preciso disso'”, explicou Clinton sobre ela podcast , "You and Me Both".


Em resposta, seu convidado, o pregador ativista de extrema esquerda William Barber, disse que as igrejas precisam fazer um trabalho melhor para explicar a natureza transformadora do Cristianismo, porque os mais jovens “estão muito abertos à fé que trata da transformação, do amor, da justiça, sobre igualdade, sobre a essência - a essência do que significa ser uma pessoa de fé. ”


No início de sua discussão, Clinton e Barber falaram sobre o movimento Black Lives Matter. O candidato presidencial de 2016 argumentou que a frase de três palavras é uma “declaração teológica” porque “Jesus e justiça são a mesma coisa”.

Clinton continuou afirmando que os republicanos tentaram cooptar o cristianismo.

“Quando você pensa sobre o esforço deliberado e concentrado de um partido político para basicamente tentar possuir o Cristianismo, e isso negligencia o papel da igreja afro-americana, ignora, como você diz, muita teologia, muita história ," ela disse. “Ele também ignora este momento no tempo. 'Black Lives Matter,' eu vejo como, você sabe, uma declaração muito profundamente teológica. ”

Barber explicou que os EUA já tiveram uma teologia de “religião de proprietários de escravos”, mas também adotaram a “religião do abolicionista”, que ele vinculou ao movimento Black Lives Matter de hoje.


Ele argumentou que os protestos em todo o país agora são "dores de parto" do que ele descreveu como uma "terceira reconstrução".


“Tivemos duas reconstruções: uma entre 1868 e 1896, e então tivemos a segunda reconstrução, 1954 a 1968”, disse Barber. “E eu acho que a América precisa de uma terceira reconstrução. Eu acho que esta é a dor de parto disso. ”



O pregador disse que os americanos estão em um lugar em que podemos “chegar a um acordo não apenas com o racismo sistêmico que afeta os negros, mas com o racismo sistêmico em todas as suas manifestações contra os pardos, contra os povos das Primeiras Nações, mas também a pobreza sistêmica e ecológica devastação e guerra, economia e a falsa narrativa moral do nacionalismo religioso. ”

Ele também pediu que as pessoas corressem mais para a esquerda, ecoando os comentários da deputada Alexandria Ocasio-Cortez (DN.Y.) no mês passado , quando ela disse que não é aceitável ser politicamente moderado.

“Isso vai exigir que as pessoas que podem se candidatar a cargos sejam moderadas, para reconhecer que não estamos em um momento moderado, estamos em um momento de reconstrução”, disse ele. “Estamos em um momento FDR. Não estamos em tempos normais. E que Deus nos ajude se explodirmos neste momento. É assim que me sinto a respeito ”.

Postar um comentário

Post a Comment (0)

Postagem Anterior Próxima Postagem