Professor cristão é espancado por muçulmanos por deixar por deixar o Islã

Um professor de Uganda que se converteu ao cristianismo foi severamente espancado por um grupo de aldeões muçulmanos, que ficaram irritados ...

Um professor de Uganda que se converteu ao cristianismo foi severamente espancado por um grupo de aldeões muçulmanos, que ficaram irritados quando descobriram que ele tinha deixado a fé islâmica.


foto/internet - reprodução


Os muçulmanos constituem apenas uma minoria, 13,7 por cento, da população do Uganda, de acordo com o CIA World Factbook , enquanto os cristãos, principalmente protestantes e católicos romanos, são responsáveis por perto de 85 por cento.

Higenyi Acredita-se que se converteram a Cristo depois de um pastor chegou à sua casa e lhe contou sobre a fé cristã, e desde então tem vindo a visitar e guiando-o.

Higenyi revelou que ele foi espancado com um "objeto contundente", e acordou tarde no centro de saúde da aldeia.

"Antes de chegar a minha casa, de repente, fui atacado por três pessoas. Eles começaram a gritar, dizendo que eu sou uma vergonha para a fraternidade muçulmana de Lubanga mesquita", explicou o homem.

"Os atacantes me bateu com um objeto pontiagudo, e eu caí para baixo e não sei o que aconteceu a partir daí."

Tem havido uma série de ataques contra cristãos em Uganda nos últimos meses, incluindo um caso em setembro, quando uma mulher que participou de um culto na igreja foi espancada pelo marido muçulmano  , por supostamente se converter ao cristianismo.

Fatuma Baluka do Budaka Distrito Leste revelou em outro relatório da Morning Star New que ela ficou inconsciente e feroz espancada pelo marido, Hussein Kasolo, depois de participar de um culto na igreja cristã nas proximidades.

"Quando cheguei em casa, meu marido gritou para mim como um" infiel ", e, em seguida, e ali começou a me bater com um objeto metálico", disse a mulher de 21 anos de idade. "Eu caí para baixo, só para me encontrar em uma cama de hospital."

Em outro incidente a partir de agosto, oito crianças da aldeia Busalamu no distrito Luuka sudoeste do país teriam sido espancado por suas famílias muçulmanas  e rejeitou como "infiéis", também para tomar a decisão de seguir Jesus.

"Os pais têm totalmente renegou-los como infiéis," o pastor que disse aos filhos sobre Jesus revelou na época. "Eles precisam de orações para chegar a termos com a separação dos pais para a escolha de Cristo."

com informações Christian Post