Crivella diz que bancará festas profanas: revéillon, carnaval e parada gay

Em entrevista ao SBT, Crivella prometeu manter o financiamento ao Carnaval, à Parada Gay e ao Réveillon O prefeito eleito do do Ri...


Em entrevista ao SBT, Crivella prometeu manter o financiamento ao Carnaval, à Parada Gay e ao Réveillon

O prefeito eleito do do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), afirmou nesta segunda-feira (31), ao ser questionado em entrevista no "SBT" sobre as "festas profanas" tradicionais da cidade (Revéillon, Carnaval e Parada Gay), que "o prefeito não é um senhor arrogante das suas ideias". O senador e bispo licenciado da Igreja Universal prometeu manter o financiamento municipal aos eventos.

Crivella também comentou que recebeu uma ligação do atual prefeito, Eduardo Paes (PMDB), que disse estar com "ciúmes" da sua eleição. "Foi uma ligação amistosa, cordial. Ele disse que estava com ciúmes, porque gostaria de continuar prefeito, que governar o Rio de Janeiro é a melhor coisa que existe e eu concordo."

Ao tratar da atual situação financeira do município, que deve começar 2017 com um caixa ao menos 9,2% menor do que em 2016, o prefeito eleito repetiu que fará uma "gestão austera" e afirmou que cortará pela metade o número de secretarias. Crivella, no entanto, evitou adiantar quais órgãos serão descontinuados, e disse que primeiro precisa consultar seus aliados.

Questionado sobre sua proposta para as vans, "muitas controladas por milícias", de acordo com a repórter do SBT, o senador disse ser "maluquice" associá-lo ao tema e prometeu "falar com todos os operadores" para resolver a situação. O senador também disse que deve interromper a racionalização dos ônibus iniciada por Paes e terminar as obras do corredor BRT Transbrasil, que ligará Deodoro, na zona oeste, ao centro pela avenida Brasil, e estão paralisadas desde as Olimpíadas. "Vai ser uma prioridade", afirmou.

Durante a entrevista, Crivella disse que o foco de sua gestão será a saúde e educação e repetiu o bordão que o elegeu, "agora é hora de cuidar das pessoas". "Vamos governar com pessoas de bem, ficha limpa, que são ambiciosos, mas não por dinheiro, por votos. Vamos governar com pessoas assim", afirmou.

Via Eleições UOL