Obama afirma que foi sua fé cristã que o levou à aderir política de banheiros tansgêneros


O presidente Barack Obama disse que sua compreensão da Bíblia e suas crenças cristãs o levaram a emitir a diretiva para as escolas públicas, exigindo que elas adotem a política de banheiros transgêneros, ou seja, permitam que os alunos usem os banheiros / vestiários, conforme sua 'identidade de gênero', independente de seu sexo biológico.

"Eu tenho um profundo respeito pelas crenças religiosas de todos sobre isso, mas se você estiver em uma escola pública, a questão é: como é que vamos certificar de que as crianças são tratadas com bondade?", disse ele durante um discurso da prefeitura de Elkhart, Indiana (EUA), na última quinta-feira (2). "Minha leitura das Escrituras me diz que o que a Regra de Ouro é muito alta lá em cima em termos da minha fé cristã".

Quando questionado sobre por que ele decidiu mexer em um grande problema sobre os banheiros das escolas, Obama explicou que sua preocupação decorre da "intimidação que os alunos transexuais sofrem".

"O que aconteceu e o que continua acontecendo é que você tem crianças transexuais nas escolas. Elas ficam intimidadas e ficam no ostracismo. Isso é difícil para elas", explicou o presidente.


  • Diretiva

A diretiva emitida no início de maio (2016) indica que os estudantes devem ser livres para usar os banheiro e vestiários que preferirem.

"Não há espaço em nossas escolas para qualquer tipo de discriminação, incluindo a discriminação contra estudantes transexuais com base no seu sexo", disse a procuradora-geral, Loretta Lynch em um comunicado, na época.

Até o momento, 11 estados norte-americanos entraram com uma ação contra a administração Obama por causa da diretiva, no entanto, argumentando que a orientação "não tem base legal".

Um comunicado elaborado em conjunto pelos estados do Alabama, Arizona, Georgia, Louisiana, Maine, Oklahoma, Tennessee, Texas, Utah, Virgínia Ocidental e Wisconsin afirmou ainda que tal diretiva poderia transformar ambientes educacionais em todo o território dos EUA "em laboratórios para um experimento social maciço, desprezando o processo democrático, e atropelando as políticas de senso comum para a protecção das crianças e os direitos básicos de privacidade".

Jeff Landry, o procurador-geral de Louisiana, jurou que "não permitirá que Washington cause ainda mais estragos nas escolas" de seu estado, enquanto o governador do Texas, Greg Abbott afirmou que Obama "não é um rei".

Patrick Morrisey, o procurador-geral de West Virginia, disse que a orientação sobre banheiros transgêneros seria um modo de "forçar uma mudança sísmica nas escolas locais", e o chefe de educação do estado de Oklahoma, Joy Hofmeister advertiu que a orientação pode representar uma ameaça para o financiamento federal das escolas que se recusam a cumprir a ordem, chamando a medida adotada pelo presidente de "perturbadora".

Líderes evangélicos, como Franklin Graham (Bolsa do Samaritano e Associação Evangelística Billy Graham) e Robert Jeffress (Primeira Igreja Batista de Dallas) também repudiaram as medidas adotadas por Obama, citando que Deus criou claramente dois gêneros distintos.
DEIXE SEU COMENTÁRIO ()