Adolescente sequestrada e estuprada fala como escapou do Estado Islâmico

Nihad compartilha sua história de medo e dor, quando com 15 anos foi captura pelo ISIS, estuprada e engravidada


A adolescente Nihad Narakat Shamo Alawsi tinha apenas 15 anos quando foi capturada junto com sua família pelo Estado Islâmico, em 2014 quando sua cidade natal Sinjar, norte do Iraque, foi tomada por eles. Nihad foi vendida como escrava sexual pelo o equivalente á R$ 2 500 reais e engravidada por um militante que estuprava a garota em várias ocasiões.

"Eu sentia vontade de cometer suicídio, mas cada vez que eu pensaa, lembraa da minha mãe", disse Alawsi em um vídeo divulgado pela  Fundação Amar Internacional de Caridade .

"Eu senti que eu tinha um criminoso de Daesh [ISIS] dentro de mim. Eu tentei muitas vezes abortá-lo."

Ela foi hospitalizada por quatro dias "devido às pílulas e outros passos que eu tinha tomado" mas foram inúteis as tentativas de aborto e ela deu à luz um menino.

"Eles trouxeram o bebê para mim, e ele olhou para mim. Eu sentia que ele era parte de mim e eu o amava", Alawsi, agora com 17 anos, comenta.

Ela conseguiu fugir do Iraque para o Curdistão com sua família, no entanto, ela teve que deixar seu filho no Iraque.

Ela agora está trabalhando para fundação Women Health Volunteers contra a radicalização.

"Inshallah, este ano quero voltar para a escola e terminar meus estudos. Meus pensamentos e medos permanece com os meus irmãos desaparecidos e os meus três primos. Eu sinto o mesmo sobre todas as pessoas sob o controle de Daesh. Somos todos um ," ela disse.

A ONU recentemente marcau oficialmente o tratamento das pessoas Iáziges por ISIS um genocídio.

"Genocídio ocorreu e está em curso", disse Paulo Pinheiro, presidente da comissão que pesquisou o tratamento de yazidis. "ISIS submeteu todos os yazidi, mulher, criança ou o homem que capturou a mais terrível das atrocidades".

Milhares de mulheres e meninas Iáziges na Síria ainda estão sendo mantidos em cativeiro e abusada, muitas vezes como escravas sexuais. Pelo menos 30 sepulturas em massa de pessoas iáziges foram encontrados no país e 3.200 mulheres e meninas são pensados ​​para permanecer realizada por militantes.