Medo do terrorismo marca início de 2016 em todo o mundo

Fortes esquemas de segurança foram montados nas maiores capitais do planeta

O ano de 2015 acabou, mas o legado do medo de atentados terroristas segue marcando os eventos populares ao redor dos mais populosos centros mundiais. Os atentados em Paris, no ano passado, deixaram o mundo em alerta nas celebrações de ano novo.

\
Em Nova Iorque, mais de 6 mil policiais e pouco mais de 500 homens da divisão anti-terrorismo trabalharam durante a comemoração para evitar ameaças, mesmo assim o clima de festa tomou conta dos turistas e moradores da cidade do maior réveillon do mundo. O prefeito Bill de Blasio ficou encarregado de acionar o mecanismo que faz a tradicional bola de cristal descer durante 60 segundos até a chegado do ano novo. Segundo os organizadores, mais de 1 milhão de pessoas receberam 2016 na Times Square.



Na Italia, o Papa Francisco discursou em prol de  um "ano de paz" e "misericórdia", para milhares de católicos em volta da Igreja de São Pedro, sob uma reforçada demanda de proteção policial. Mais de 10 mil pessoas foram revistadas aos arredores da praça, símbolo do catolicismo. 


Em Munique, na Alemanha, uma ameaça, classificada como iminente, de terrorismo fez com que duas estações de trem fossem evacuadas em virtude do alerta. Segundo a policia, um atentado terrorista foi planejado na cidade nas ultimas horas do ano. Um porta-voz da polícia de Munique indicou à agência de notícias France Presse que o alerta de "atentado" que talvez estivesse em preparação é de "origem islamita". Segundo o jornal "Süddeutsche Zeitung", "seis possíveis suspeitos" estariam no centro das investigações.




Na Franca, mais precisamente em Paris, que foi alvo do ataque terrorista que marcou o ano de 2015, o show de fogos foi cancelado, mas a tradicional reunião na avenida Champs-Élysées ocorreu em meio a um reforço na segurança. As projeções no Arco do Triunfo foram mais curtas do que o normal e quatro telas gigantes foram instaladas na região para evitar grandes aglomerações.


No Brasil, não houve preocupação com atentados e os tradicionais eventos ocorreram normalmente e com muita alegria. 


DEIXE SEU COMENTÁRIO ()