Minha história com o Roacutan

Sem descrição

Olá meninas, tudo bem?

Aqui é a Carol do blog Princesa Cristã, e hoje venho falar de um assunto um pouco sério, venho falar sobre meu tratamento com o temido roacutan que eu iniciei aos 16 pra 17 anos.

Comecei a ter espinhas na minha adolescência, lá pelos 13-14 anos e foi se agravando um pouco, tanto porque eu não tinha paciência de deixar aquela bolinha no meio do rosto se curar sozinha, então ia com meus lindos dedinhos cutucá-las e espremê-las, e pra ajudar me enchia de maquiagem pra escondê-las, mas o fator principal da piora foi mais o genético e hormonal, pois minha irmã e minha mãe também sofreram do mesmo problema.

Realizei diversos tratamentos com ácidos, antibióticos, pomadas, cremes, gel.. Tudo que vocês possam imaginar, e nada melhorava! Até troquei de dermatologista, mas nada mesmo funcionava de um modo que elas não voltassem mais!

Então tive uma conversa séria com a minha dermatologista e ela me propôs o uso do Roacutan. Ela me explicou os benefícios e os malefícios que o remédio poderia causar, e como eu já estava sendo afetada demais pelas minhas espinhas (emocionalmente falando) eu resolvi arriscar.

Que eu me lembre comecei a tomar 2x por dia os comprimidos de 10mg, e o tratamento seria de pelo menos 8 meses.

Em um mês de uso minha pele já era outra, as espinhas mais graves estavam melhorando e pra mim tudo estava uma maravilha! Mas comecei a notar algumas bolinhas no meu corpo e coçava muito, e elas não paravam de aumentar. Após três meses usando o medicamento olha a surpresa que eu tive:

roacutan
Tive uma reação alérgica absurda, perdi peso e perdi minha autoestima. Pra ajudar, minha dermato foi descredenciada do plano de saúde e eu não sabia o que fazer, se cortava o uso do remédio ou não.
Procurei então uma outra dermato do meu plano, chegando no consultório a primeira coisa que ela me fala é: você sabe que você pode estar com uma doença grave que leva à óbito, né? (é uma síndrome, da qual eu esqueci o nome, muito rara por sinal mas que pode acontecer pelo uso do roacutan).

Eu fiquei alucinada, e com muito medo. Ela não soube me dizer o que eu tinha e foi procurar no google. SIM, NO GOOGLE. Na minha frente!

Então, a fofa me receitou corticoide e melhorou um pouco, mas agravou as feridas da perna que mais tarde foi diagnosticada como dermatite por um terceiro dermatologista. Esse sim soube me ajudar, me passando uma pomada específica para vitiligo (pomada caríssima por sinal) + hidratante dermatológico + anticoncepcional – roacutan. Ele me disse que acne de mulher não se tratava com roacutan mas sim com anticoncepcional. Então me auxiliou a conversar com uma ginecologista e iniciar o tratamento com anticoncepcional.


Nesses 3 meses, meus cravos, espinhas, oleosidade e manchas haviam melhorado 95%, então mesmo tendo a reação alérgica houve uma melhora extraordinária com o remédio. Me restaram algumas manchinhas e algumas cicatrizes que são quase imperceptíveis e com um tratamento de peeling se resolve.

O que eu quero deixar com esse post meninas, é que vocês se atentem muito bem na hora de escolher um dermatologista, e tomem muito cuidado na hora de tomar medicamentos fortíssimos como o do roacutan. Nem sempre o mais forte é o melhor, no meu caso o anticoncepcional tem sido muito bom no tratamento e controle da acne e da oleosidade. Nunca mais tive problemas com espinhas!

Bom meninas, qualquer dúvida deixem um comentário que eu responderei com o maior prazer! E lembre-se sempre de que nem tudo é pela estética, devemos sempre priorizar a nossa saúde!

E para acessarem meu blog, basta clicar nesse link aqui.

Um super beijo e que Deus abençoe vocês!