Papa Francisco diz não julgar gays e contraria Bento 16

papa francisco, papa no Brasil

papa francisco no fantastico
Quase toda a mídia do Brasil deu destaque hoje às declarações do Papa Francisco sobre os homossexuais. Ele disse que não pode julgar as pessoas por sua orientação sexual nem deseja a perseguição dos gays dentro da Igreja Católica.

Durante uma entrevista a jornalistas de diversas partes do mundo ele declarou que o Catecismo da Igreja Católica ensina claramente que a orientação homossexual não é pecado, mas sim os atos.

“Quando eu encontrar uma pessoa gay, eu tenho que distinguir entre o seu ser gay e ser parte de um hall de entrada. Se eles aceitarem o Senhor e ter boa vontade, quem sou eu para julgá-los? Eles não devem ser marginalizados… eles são nossos irmãos. O Catecismo da Igreja Católica explica isso muito bem. Ele diz que eles não devem ser marginalizados por causa disso, mas que devem ser integrados à sociedade… O problema não é ter essa orientação. Devemos ser irmãos. O problema é fazer lobby por essa orientação.”

Entre tantos pronunciamentos feitos durante a Jornada Mundial da Juventude, essa foi considerada “uma das mais generosas referências aos homossexuais já feitas por um pontífice”, segundo especialistas.
Francisco disse ainda que Deus não apenas perdoa aqueles que confessam o pecado, Ele esquece. “Nós não temos o direito de não esquecer”, asseverou.
O problema é que, segundo a Igreja Católica, o papa é infalível. Seu antecessor, o Papa Bento XVI, assinou um documento afirmando que os homens com tendências homossexuais profundamente enraizadas não deve ser sacerdotes.  Declarou na época que “homossexualidade e a transexualidade afastam os homens da “obra do criador… são um desvio, uma irregularidade, uma ferida”.

Portanto, cria-se um dilema. As declarações de Francisco anulam as de Bento 16? E mais importante ainda, anulam as suas próprias? Em julho, ele admitiu, durante uma audiência com a diretoria da Confederação Latino-Americana e Caribenha de Religiosos (CLAR), que existe corrupção e um “lobby gay” no Vaticano.  Esse mesmo tipo de lobby em favor dos homossexuais teria sido o responsável pela renúncia de Bento 16.
Agora, as declarações de Francisco sobre os gays se dá num contexto em que ele nega a existência de um lobby gay. Embora a grande mídia no Brasil tenha dado outro enfoque, a entrevista original foi transcrita pelo jornal argentino “La Nación”.

Perguntado sobre o peso desse tipo de pressão sobre o Vaticano, o pontífice declarou: “Escreve-se muito sobre o lobby gay. No entanto, não encontrei nenhuma pessoa que defendesse isso, identificando-se no Vaticano…  Quando você encontrar uma pessoa, você deve distinguir entre ser gay lobby a verdade, porque não há lobby é bom. O problema é fazer lobby por essa orientação, ou lobbies de pessoas invejosas, lobbies políticos, lobbies maçônicos, tantos lobbies. Esse é o pior problema”.