Parlamento polonês rejeita legalização do casamento gay

casamento gay
Foto acima: Parlamento Polonês
As discussões sobre a liberação do casamento gay, a legalização do aborto e o uso de drogas tem sido muito intensas na Polônia, pais com maioria católica. 

Na ultima sexta-feira o parlamento rejeitou três projetos de lei que legalizariam as uniões civis, incluindo a proposta feita por um membro da Plataforma Cívica, que propunha dar direitos limitados aos parceiros não casados, incluindo a capacidade de herdar propriedade.

Donald Tusk
O primeiro-ministro polonês Donald Tusk foi a favor da reforma homossexual, entretanto 46 membros de seu próprio partido, incluindo o ministro da Justiça Jaroslaw Gowin, ficou do lado da oposição conservadora e votou contra todos os três projetos de lei, já na sua primeira leitura.

"Você não pode questionar a existência de tais pessoas (casais homossexuais) e  não pode argumentar contra as pessoas que decidem viver de tal maneira," afirmou Tusk em seu discurso no Parlamento, antes da votação.

Robert Biedron, vice-primeiro ministro da Polônia, que criou a mais abrangente das três propostas rejeitadas, prometeu continuar liderando os esforços para dar direitos legais a parceiros não casados, ambos do mesmo sexo.

"As mudanças estão chegando", disse Biedron. "Mais e mais pessoas devem ver que talvez há injustiça no tratamento de pessoas que vivem em parcerias não registradas e que não pode resolver os seus problemas fundamentais, os problemas cotidianos."

Mesmo com o número crescente de governos de todo o mundo aderindo alguns direitos de legalização de casais homossexuais, A maioria maciça de líderes eclesiásticos e políticos conservadores têm argumentado que tais movimentos podem minar a instituição do casamento, além de reprimir a liberdade religiosa.

No início de janeiro, a Igreja Católica apoiou os protestos contra os planos de legalizar o casamento homossexual na França .
No Brasil, a discussão continua, e pelo andar da carroagem a decisão da Polônia não deve ser a mesma de nosso país.  


DEIXE SEU COMENTÁRIO ()